Total de visualizações de página

domingo, 23 de novembro de 2014





        NÃO SABER É UM SABER DIFERENTE
       (saber ou não saber?)



   














        Eu sei, mas às vezes não
       Perguntas transcendem
       Pensamentos em vão
       Poucas repostas atendem
     
       Palavras escuras
       Provocam
       Num lampejo se deslocam
       Desejo mais alvura

       Pelos olhos não enxergo
       Quem sabe num bocejo
       Eu descubra o sentido dos versos
       No meu íntimo imersos

        Mexo e remexo
        Não constante eu deixo
        Palavras o vento dispersa
        E o que fica, se não fica, desconversa

        Um galho se rompe
        A folha cai e foge no horizonte
        Um dia eu tenho quase certeza
        No outro deixa... prefiro uma sobremesa

         Certa vez ouvi de um sábio
        "Não precisa entender tudo!"
         Só que, nem sempre eu busco
         Simplesmente chega num distúrbio

         (TEGF)




     


     
     
     
       

     
     
     
     
     





quarta-feira, 1 de outubro de 2014





         A medicina, antes de tudo, não estabelece mas predispõe à cura, nem sempre garantida.



    Praticar Medicina propõe que o profissional dê o melhor de si, dentro dos critérios científicos e preparo técnico. Não é possível prometer um desfecho perfeito no processo dual saúde x doença.
   A afirmação hipocrática ”o médico cura”, e ouso questioná-la, é uma expressão não totalmente apropriada, ao meu ver. No fundo, penso que  foi elaborada para valorizar a difícil e distinta profissão, dentro de uma árdua responsabilidade.
    Curar é um termo que soa “um tanto sobrenatural” do ponto de vista prático e real. Convém ponderar que para que isso ocorra é necessário que existam uma enfermidade, um paciente ( um organismo com potencial de resposta), profissionais preparados, e um conjunto de elementos que ofereçam suporte para o tratamento.
   Cada elemento destes deve exercer forças no mesmo sentido,  como se fossem vetores, para que a resultante favoreça o paciente  debelando a doença .
    O “doutor” intervém com um arsenal terapêutico alinhado  à cultura científica, visão clínica, e coordenando uma boa equipe multidisciplinar. Essas são as únicas variáveis que o médico consegue gerenciar. Sozinho não tem o poder de cura. Ele pode, sim, interferir na evolução da doença, erradicando-a ou não, nem que seja mitigando a dor e o sofrimento.


    Isso vai de encontro às situações em que muitas vezes o próprio profissional sente-se impotente após o insucesso ou à perda, e não raro a sensação de uma "culpa" que não lhe pertence.
   Médicos são humanos, portanto não são perfeitos. Óbvio que com um encargo muito mais desafiador e comprometido, em que a razão maior é fazer todo o possível para otimizar a saúde, e controlar o controlável nas enfermidades.
    O resultado não pode ser garantido , mas o melhor deve ser oferecido, numa mentalidade de investir até a última gota do que é disponível para resolver o problema .
    Basta estar saudável para adoecer, basta estar vivo para morrer, são processos naturais. Nem de longe, quem quer que seja pode atribuir um fardo tão pesado, acusando o médico de uma falha deliberada, quando ela não aconteceu.
    Visando uma prestação de serviço humanizado, temos de  considerar que não pode ser médico quem não foi paciente, ou não sentiu a dor e o sofrimento físico-emocional. É mistér colocar-se no lugar do enfermo, percebendo suas necessidades, e qualificando pontualmente o atendimento 
    Um dos fatores que favorece uma certa segurança ao prestador , e conforto para todos na circunstância do tratamento é o apoio da família do doente, bem como  compartilhar com ela as responsabilidades, possibilidades e riscos de todo o processo. Atinge-se um ambiente de harmonia entre todos, e sempre os dois lados devem interagir para que tudo conspire à favor do sucesso.
    O “doutor” chama-se "fulano de tal", e não JESUS  CRISTO que assegura qualquer milagre.
   Pela política na Saúde , precisaríamos de melhores condições para toda a sequência de profissionais envolvidos no atendimento à população, em níveis primário, secundário e terciário. Sem a devida composição -hospitais, leitos, especialistas e generalistas disponíveis dignamente tratados, aparatos necessários-não há como oferecer o melhor. São questões fora da alçada do corpo clínico. Seria da competência administrativa .
    Sou grata por fazer parte de um respeitável time de profissionais, e interferir positivamente, na medida do possível, à favor do bem estar das pessoas. Minha equipe me ensinou e reforçou as melhores condutas, bem como os valores cardinais para exercer a atividade  de forma digna e respeitosa. Os exemplos que vejo em cada um dos meus colegas veteranos me acrescentam e me aprimoram todos os dias.
(Thelma Eliza G. F)






domingo, 28 de setembro de 2014





       
        CIÚME : ATÉ QUE PONTO?




Ciúme e flerte (Haynes King).

    Quem nunca sentiu ciúme na vida que atire a primeira pedra!
     Acho que todos nós já tivemos medo de perder alguém, e portanto, em algum momento nos deixamos levar por esse sentimento.
    Ter apego a alguém que conquistamos é natural, mas se isso ultrapassar os limites do tolerável e compreensível, comprometendo a convivência,a individualidade, a privacidade e a dignidade do outro, torna-se  nocivo .
    "Por sua natureza e seus efeitos o ciúme se aproxima da inveja. Porém, entre ciúme e inveja permanecem algumas diferenças. Na inveja sentimos que outros possuem um bem que desejamos para nós, enquanto no ciúme defendemos um bem que julgamos nosso e que não desejamos ver partilhado com outrem. “(Pierre Charon)
    O ciúme  já percorreu todo tipo de contexto: Bíblico, mitológico, histórico e  quase todas as situações do convívio humano.É igualmente descrito entre os animais mais desenvolvidos como os chimpanzés. Mas já percebi em cães também.
   Ele pode estar presente:
- No trabalho, como alguém que esteja incomodado com a promoção que o outro recebeu, o salário maior ou alguma condição melhor que a dele;
-Na família, onde exista rivalidade entre os irmãos, ou mesmo na infância em que os mais novos ameaçam os privilégios dos mais velhos por aqueles serem mais “protegidos”;
-Nas amizades,quando surgem “intrusos” que possam “roubar” a atenção do amigo, ou até o próprio amigo;
-No amor romântico, onde surge o ciúme por temor à possível infidelidade sexual ou emocional;
    Historicamente o ciúme foi analisado de várias formas e em vários momentos:
-Aristóteles:  no século IV a.C., concebia o ciúme como o desejo de se ter o que uma outra pessoa possui. Era originariamente uma palavra boa e referia-se ao desejo de imitar uma coisa nobre da outra pessoa. Nesta acepção, o filósofo pensava o ciúme em termos de uma nobre ‘inveja’.
- Santo Agostinho, no século IV, ainda fundamentado no legado bíblico do rei Salomão, que no século X a.C. advertia em seu salmo 109: “O amor é forte como a morte, o ciúme é cruel como o túmulo”, concebia o ciúme como algo desfavorável à boa vivência do amor.
-  François de la Rochefoucauld,  séc XVII, escritor clássico e moralista francês , reconhecia no ciúme uma tendência egocêntrica ao dizer: "No ciúme, há mais amor-próprio do que amor". O autor ainda identificava o amor como substrato para a gênese do ciúme: "O ciúme nasce sempre com o amor, mas nem sempre morre com ele".
- Freud, século XIX,  Alemanha, o ciúme era concebido como um estado emocional.
- Stendhal, seculoXIX ,França, o ciúme tinha uma conotação negativa e estava atrelado à vaidade: “O que torna a dor do ciúme tão aguda é que a vaidade não pode ajudar-nos a suportá-la”.   Ainda segundo Sthendal, ciúme romântico é um dos grandes males em que há um complexo de emoções, diante da ameaça em perder a exclusividade do parceiro.


    ( O parceiro que provoca ciúmes no outro é extremamente imaturo e inseguro de sua capacidade de conquistar ou manter o outro, sem usar recursos bobos como esse.É como se ele se sentisse "o tal", a última bolacha do pacote. Na verdade quando se gosta de verdade, a relação é de tamanha cumplicidade e verdade, que os outros é que ficam com ciúmes do casal. O que é indicador de um lindo amor, onde há confiança, respeito e que não se abala por futilidades.)

    Referindo-se ao amor romântico que é a circunstância mais comum, a impressão conceitual que se tem é que em sendo uma emoção complexa, o ciúme pode estar fundamentado num receio real ou fantasioso da existência de um(a) rival(a).
     Até hoje alguns o encaram como um sentimento, e outros como uma emoção negativa ou até aversiva. Mas ainda há os que dizem, como insinuou-se no início, que é uma    manifestação biológica inata, a fim de garantir um provedor para a prole, no caso do gênero feminino, e  a propagação dos genes e conseqüentemente a perpetuação da espécie, sobretudo para o gênero masculino.Explicação científica, mas pouco prática....
     Independente  do  ciúme ser inato ou aprendido, benéfico ou danoso, ele é fundamentalmente egoísta à medida que seu possuidor se comportar conforme sua conveniência, tolhendo os direitos da pessoa a ele vinculada.
     O que dá uma falsa liberdade ao ciumento é usar o artifício do amor e do altruísmo, como disfarce para ter autoridade em interferir na vida do parceiro.Mas sabemos que o ciumento ama mais a si mesmo do que o outro.



                                              o excesso tira o encanto da relação

    Existem diferenças entre homens e mulheres quanto aos motivos que os levam ao ciúme.
    Apoiado pela cultura machista, o homem se justifica na traição sexual baseado na desculpa do “impulso testosterônico”. Sabe aquele papo infame? _”Querida, não significou nada, só  transei com a fulana como se fosse "tomar sorvete". Pois é, e chega a virar um herói “pegador” diante dos amigos e familiares, conforme a quantidade de casos e “mal-feitos bem feitos”. Nessa toada, ele será induzido ao ciúme por pensar que a sua parceira poderá ser assediada por tipos como ele, ou até reproduzir o “procedimento”a seu exemplo, mesmo que ela nunca tenha lhe dado motivos para tal receio.
    Já as mulheres, se apenas insinuarem algo parecido, mesmo que tenham motivos coerentes (como estarem numa relação ruim, infelizes ou por terem sido traídas), levam a tarja do adultério além de todos os diminutivos morais e impropérios, segundo a perspectiva dos hipócritas-ignorantes e falsos- moralistas.Tremenda desigualdade.
   * Jogar limpo e tentar resolver  uma crise de relacionamento às claras são sempre as melhores alternativas, pois a verdade, por pior que seja é libertadora.Traição e mentira são atestados de burrice !
      Se não gosta mais, se não está feliz, parta para outra, seja honesto principalmente consigo.Quem trai o parceiro trái a si mesmo antes de tudo e cava o próprio buraco. A não ser que a outra parte seja passiva à traição e viva na hipocrisia. É como se avalizasse. Sem dignidade...sem comentários.
     Geralmente os que desconfiam de tudo e de todos, é porque não confiam nem em si próprios, com base no  que são capazes de cometer. Aí projetam nos demais as suas inseguranças em forma de possessividade, truculência, chantagem e tirania.
     As mulheres podem ter ciúme por várias  razões, principalmente se já tiverem sofrido decepções reais.
    * Geralmente, quando elas desconfiam há fortes motivos. As mulheres conseguem pressentir e sentir o comportamento sintomático do parceiro infiel.
     Dizem que o ciúme feminino é pela traição emocional, mas a opinião geral diz que a traição sexual é tão desagradável e dolorosa quanto a afetiva.
     Aliás qualquer mentira e enganação é abominável...repúdio total !
     Reforçando a idéia inicial, uma dose de ciúme tem cabimento enquanto se configura com zelo, afeto e cuidado. Mas quando passa a sufocar, cercear, incomodar a liberdade mínima de ir e vir, invadindo a personalidade, moldando as vontades, as atitudes e até os pensamentos do outro(a) , passa a ser tóxico, destrutivo, devastador.
     As tempestades de suspeitas e falsas acusações são desrespeitosas, inundam  o espaço da naturalidade e tornam o relacionamento inviável. Era uma vez o encanto.
     Existem maneiras de controlar o ciúme, principalmente se houver amor verdadeiro, segurança de si mesmo e intenção sincera de estar bem com alguém, almejando a felicidade à dois, e não só a pessoal que visa só interesses próprios.
     Valem demais o bom senso, o respeito à individualidade, entendendo  que  o que precede o sucesso de uma parceria é o direito de exercer o seu EU. Com este Eu vem todas as necessidades de uma pessoa que precisa ser plena, completa e inteira,  antes de ser parte de uma dupla. 
     Essa história de “metade da laranja” é coisa de faz de conta, não de necessidade real.A realidade consta que: um + um  = dois !
      Moral da história, parafraseando o poeta devo dizer: “Dê asas a quem você ama, se ele(a) voltar é porque você o(a) conquistou verdadeiramente !
     Portanto, caros amigos, a todos  que lhe são impostas  chantagem e pressão comportar-se ão-se como batata cozida : aperte-a e ela escapará por entre os dedos....
 O que realmente cativa e garante cumplicidade e lealdade são o amor, o respeito e a admiração!
(TEGF)

                 O amor é dar liberdade para o outro ser feliz.


sábado, 20 de setembro de 2014

                                                         






 Os últimos gritos de dor

Todos os ativistas que defendem o aborto nasceram e estão vivos, como já sugeriu Ronald Reagan em um discurso.Nada menos que um paradoxo.
Imagens e vídeos sobre o assunto, caso você procure, são puro horror.
O que falar sobre isso, um tema provocativo, que remexe com o pensamento dos pró e anti aborto ?
Não adianta esconder uma realidade acobertada pela hipocrisia.

O aborto provocado é um disfarce do quê, da falta de dignidade, de coragem, de ética ou espiritualidade do ser humano?????
Nas práticas humanas, o que se esconde é em grande parte motivo de vergonha e\ou passível de punição.
Se a censura pessoal ou as leis não castigarem, a vida se encarregará.
Não vou entrar no mérito da "legalidade" vigente em outros países, que protegem as mulheres que optam pela interrupção da gravidez indesejada.

No Brasil, em função do problema dos procedimentos clandestinos causando mortes maternas, recentemente foi sancionada a lei que garante o atendimento das pacientes do SUS, que necessitam faze aborto, em casos de estupro ou anencefalia.
Também não vou julgar os que fazem. Quem sou eu para isso?
Todavia, como profissional da saúde, minha consciência e minhas convicções me induzem a falar sobre o assunto.
O ABORTO é um procedimento covarde e criminoso, uma forma de ASSASSINATO.

É comum na sociedade em escala assombrosa.
Em se sabendo que a vida começa na fecundação, é exatamente como se você tivesse um filho com quem você convivesse desde o nascimento, e depois de um tempo pegasse um revolver e  atirasse nele.
É concebível moral ou judicialmente matar um filho?
O produto da concepção é um SER com direito a viver, e não parte ou propriedade do corpo feminino.

O corpo da mulher, além de contribuir para a fecundação, tem a função de incubadora da futura criança.
Quantas centenas de milhares de pretensas mães sonham e lutam para terem um filho, e injustamente (?) não podem gerar, enquanto outras tantas querem se "livrar."
Independente de opiniões, tudo o que se colocou aqui é a verdade reforçada por fatos.
A vida é um valor absoluto, incluindo outras espécies; quanto mais dentro da mesma.
Respire, olhe, cheire, deguste, fale, escute, caminhe, faça movimentos, toque, perceba como tudo funciona em você, desfrute de todas as sensações, da sensibilidade do seu corpo e da sua alma..como é bom existir e viver! 

Seja grato por isso, e se puder propague a idéia contra esse abominável ato do aborto.
"Mãe,  deixe eu nascer! ?!?"

 http://youtu.be/S0MokEi4ZW0

(TEGF)

                              A que gera é a mesma que mata....

                    Em um dos procedimentos do aborto provocado, o feto é despedaçado vivo.
                    
                            ...!?!?
                 







sábado, 6 de setembro de 2014





                                                  SEDUZIDOS   
                          
                                        ( dia do sexo (06\09\201
           
                  Avance por inteiro
                  Liberdade farta desejo

                  Olhar devasso
                  Lânguido beijo
                  Pele que roça aflita 
                  Corpo em regozijo

                  Aconchego lascivo
                  Sem medo, sem travas
                  Cada qual ao dispor
                  Sem pudor

                  Lindo, quente, faminto
                  Ritual desesperado 
                  Num espaço apertado
                  Pela fome, pela sede, pelo amor 

                  Prisioneiros
                  Do prazer anunciado
                  Carne sôfrega que implora
                  O êxtase das carícias
               
                  Arrebatados pelo clímax
                  Cansaço gostoso, rendidos
                  Se debruçam em paz
                  E num próximo breve momento, um pouco mais...

                     (TEGF)

              
                 

                 

domingo, 27 de julho de 2014







 CONHECER NOS CONCEDE PODER 
 E FELICIDADE...



        Acho difícil acreditar em verdades já estipuladas, idéias prontas ou "clichezinhos" que nos são delegados por convenções e padrões alheios ( não estou discutindo as verdades universais conhecidas, como "a terra gira em torno do sol").
       Acredito na verdade que vem com o tempo, com a vivência, com a experiência, com o conhecimento de causa. 
       Não conheço alguém que tenha tido o direito a respostas imediatas, a não ser CRISTO, o filho de DEUS, e mesmo assim, na agonia da cruz, ele fez indagações.
       A questão é conhecer o que despertar curiosidade e desejo. Fato que sugere a possibilidade de nos acrescentar algo. Ficamos com o que é bom. O que não trouxer êxito aumenta a bagagem de informação e sabedoria. 
       Se negarmos as oportunidades que se apresentam, podemos perder as chances que tanto esperávamos pela maldita dúvida de um possível resultado ruim. E daí, não deu certo? Fica a mensagem, e é disso que somos feitos.


       O homem discernido dá crédito a várias opções, e portanto vem a chance de acertar mesmo podendo "escorregar".
       Um dos pontos de base no conceito de liberdade é ter o direito de falha, caso o contrário estabelece-se uma prisão cercada pelos próprios preconceitos, idéias distorcidas e pessimistas.
       Em se apoiando nos preceitos coletivos, nas idéias preconcebidas, estaremos esbarrando na estupidez, com o perdão da palavra. E posso adiantar que assumir a postura de deixar-se levar pelos outros, ou por convicções medíocres e medrosas, é menosprezar a própria inteligência, caso ela exista, claro...
      O conhecimento que se adquire com o tempo, abrindo a cabeça,  palpando-o e vivenciando-o por completo, é o que configura as verdades e as conclusões que tiramos durante a vida, e que nos guiam em nossas histórias subsequentes...." Veritas filia temporis", disse São Tomás de Aquino ( a verdade é filha do tempo).



       Onde fica o senso investigatório se não dermos chances a outras crenças a serem testadas, fora do senso comum e do comodismo?
       O poder do conhecimento é desfrutado apostando em várias teses, ainda que em pesquisa a ser esclarecida pelo ensaio prático, e pelas novas situações que se propuserem.
       A inteligência, sendo uma ferramenta no aprendizado, é a forma de expressão do homem como um todo, e não apenas uma capacidade elaborada.Com ela aprendemos, tomamos ciência, nos apoderamos dos nossos atos e das nossas vidas, em direção ao oásis. Quem não a utiliza sofre a pena.
       Sob a égide do intelecto, investimos em nossos desejos e projeções, em detrimento às superstições obscuras inerentes às pessoas que não se arriscam, pelo inútil e castrador receio de equivocar-se, ainda que a vontade de se lançar a um novo empreendimento e mudar os rumos seja arrebatadora.
       Melhor do que sossegar na zona de conforto, abstendo-se, é absorver, apreciar e desenvolver por completo os novos e valiosos pensamentos, idéias e realidades.
       (... lamentavelmente existem os que deixam a felicidade morrer de fome, sede e frio por não se permitirem ...)
       Só é agraciado na plenitude quem navega por mares desconhecidos, com bravura e amor pela vida, sem medo de ser feliz.
       E que DEUS nos mantenha corajosos e otimistas sempre, amém!   (T) 
                             http://youtu.be/sxo0OJkbaMY

                                         
                      Quem tem ousadia perde o equilíbrio apenas por um momento 
                      Quem não tem ousadia perde-se de si mesmo, cai na rotina  
                      sufocante do mundo e não sai do lugar.                     
                      Que o meu atrevimento nunca se afaste de mim                    
                      Que a minha receptividade ao novo nunca se apague                  
                      Que a minha curiosidade para conhecer o que a vida tem de melhor, 
                      alimente a minha motivação e os meus esforços para atingí-lo.(T)                                                       
                                                     


                                       
           
       

quinta-feira, 12 de junho de 2014





AUSÊNCIA 
    
Eu aqui, você lá...
Quanta falta da presença
que essa ausência me faz.
"O não estar" me faz lembrar, e 
amar ainda mais, o momento compartilhado,
dividido e multiplicado.
Caricias que a pele vestiu,
 amor que do corpo fluiu.
Chama que a alma acendeu
e permaneceu num incêndio sem fim.
Ausência que faz a presença saudosa,
vultosa, preciosa, religião em mim.
Lembro dos olhos teus transparentes
no desejo veemente de encontrar os meus.
A tua face na minha, roçando delicada
até o encontro dos lábios afoitos.
E assim, entre nós, um espaço
inexistente...unoúnicos.
Ir e vir, ciclo que faz da ausência uma presença viva, amada, desejada, ainda que as chegadas se encontrem nas despedidas.
Onde estiveres, DEUS te abençoe e a nós também.(T)